Tamanho da letra 
A-
A+
5/10/2011
Estado de Pernambuco deve analisar pedido de compensação de ICMS

4/10/2011
STF ratifica FUNRURAL favorável aos contribuintes

4/10/2011
Segunda Seção não admite dilação do prazo prescricional em caso de emissão de cheque pós-datado (Notícias STJ)

3/10/2011
Presidente do TRF2 mantém liminar que suspende aumento de IPI por 90 dias para carros da Chery


Mais Notícias
Receba, periodicamente, informativos sobre os principais acontecimentos jurídicos do Brasil.
 
Circos poderão ficar isentos de ISS

Assim como os bancos e as grandes indústrias que estão recebendo ajuda do governo, os circos também poderão enfrentar com mais tranquilidade a crise financeira mundial se o parecer favorável sobre o projeto de lei (PLS) nº 120/06 entrar na pauta de votação e for aprovado pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE). O projeto de autoria do senador Alvaro Dias (PSDB-PR) prevê a isenção do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS, um imposto municipal) para os espetáculos circenses. O relator da matéria é o senador Marconi Perillo (PSDB-GO).

Em sua justificação, Alvaro Dias lembra que a atividade circense teve origem há mais de cinco mil anos na China e, desde então, o circo tem acompanhado a evolução da humanidade e é parte importante da cultura dos povos. No Brasil, acrescentou o senador, o circo surgiu no fim do século XIX. Ele observou que as tendas instalavam-se na periferia das cidades para atender às classes populares e que os espetáculos tinham no palhaço o seu principal personagem.

Alvaro Dias ressaltou o fato de o circo servir como instrumento de inclusão social, já que as escolas circenses que surgiram no país desde a década de 1970 têm dado oportunidade a milhares de jovens de todas as classes sociais de aprender as mais variadas técnicas dessa arte. Como exemplo, o senador citou a criação, em 1982, da Escola Nacional de Circo da Fundação Nacional de Arte (Funarte), mantida pelo Ministério da Cultura com a missão de preservar a tradição da arte circense e renovar a linguagem.

- O circo, entretanto, desde a entrada em vigor da Lei Complementar nº 116, de 31 de julho de 2003, que dispõe sobre a ISS, está seriamente ameaçado. Isso porque, não bastasse a já pesada carga tributária nacional, a citada norma fez incluir no rol de atividades passíveis de tributação pelo ISS os espetáculos circenses. Tornou, assim, mais grave a situação dos circos, que vem lutando para continuar suas atividades e propiciar entretenimento e cultura acessíveis à população brasileira - lamentou.

Marconi Perillo, em seu parecer, alertou para a precariedade de recursos destinados aos circos, especialmente os de menor porte, que ainda se instalam sob lonas. Ele disse que se estima a existência de mais de dois mil circos no Brasil, sendo que apenas 80 deles poderiam ser classificados como médios ou grandes. O público anual, prosseguiu o senador, gira em torno de 25 milhões de espectadores, particularmente das periferias, pois o circo continua sendo a grande diversão da população de baixa renda.

- Do ponto de vista do apoio do poder público federal, o circo está abrigado no conjunto dos projetos possíveis de receber recursos do Programa Nacional de Apoio à Cultura (Pronac), o qual mantém o Fundo Nacional da Cultura (FNC), que financia um grande leque de atividades culturais (Lei Rouanet). Entretanto, uma simples consulta ao volume de recursos captados para o circo demonstra o quanto este é o primo pobre entre os outros setores das artes cênicas. Em 2006, por exemplo, de R$ 134 milhões de recursos captados, pouco mais de R$ 3 milhões foram para o circo, contra R$ 96 milhões para o teatro - assinalou.

Ricardo Icassatti / Agência Senado